07 junho, 2016

Resenha: Coraline

CoralineTÍTULO: Coraline
TÍTULO ORIGINAL: Coraline
VOLUME: Único
AUTOR(A): Neil Gaiman
EDITORA: Rocco
PÁGINAS: 155
Minha Avaliação: 



Primeiro livro de Neil Gaiman escrito especialmente para o público juvenil, Coraline é um conto de fadas às avessas que reconhece a subestimada e, por vezes esquecida, maturidade da maioria dos jovens leitores. Nele, Gaiman encara pela primeira vez o desafio de escrever fantasias assustadoras para as crianças e vai além dos tradicionais dragões, príncipes encantados, frágeis princesas ou gigantes padronizados que habitam esse universo, criando uma personagem com a qual as crianças podem facilmente se identificar. 
Publicado pela Rocco em 2003, o livro, que chega ao cinema pelas mãos de Henry Selick (O estranho mundo de Jack), tem ilustrações de Dave McKean, parceiro de longa data de Gaiman. A história ganhou ainda uma versão em graphic novel, ilustrada por P. Craig Russel, que a Rocco traz para o Brasil até o fim de 2009. Cultuado escritor de histórias em quadrinhos para adultos, Neil Gaiman influenciou o mercado editorial a seguir um caminho sofisticado para atrair cada vez mais público. 
Sandman, graphic novel campeã internacional de vendas, por exemplo, cujo protagonista homônimo é o mais venerado personagem dessa seara, recebeu inclusive o World Fantasy Award, prêmio até então inédito para o gênero. A história de Coraline é de provocar calafrios. A narrativa dá muitas voltas e percorre longas distâncias, criando um ‘outro’ mundo onde todos os aspectos de vida são pervertidos e desvirtuados para o macabro. Ao mesmo tempo sutil e cruel, o autor gosta de desafiar as imagens simples dos livros infantis tradicionais. As crianças vão se deliciar com o frio que correrá em suas espinhas durante a leitura e ficarão até agradecidas por existir um escritor que finalmente se recusa a tratar com condescendência uma plateia ávida por empolgantes contos de terror. No livro, a jovem Coraline acaba de se mudar para um apartamento num prédio antigo. Seus vizinhos são velhinhos excêntricos e amáveis que não conseguem dizer seu nome do jeito certo, mas encorajam sua curiosidade e seu instinto de exploração. 
Em uma tarde chuvosa, a menina consegue abrir uma porta que sempre estivera trancada na sala de visitas de casa e descobre um caminho para um misterioso apartamento ‘vazio’ no quarto andar do prédio. Para sua surpresa, o apartamento não tem nada de desabitado, e ela fica cara a cara com duas criaturas que afirmam ser seus “outros” pais. Na verdade, aquele parece ser um “outro” mundo mágico atrás da porta. Lá, há brinquedos incríveis e vizinhos que nunca falam seu nome errado. Porém a menina logo percebe que aquele mundo é tão mortal quanto encantador e que terá de usar toda a sua inteligência para derrotar seus adversários.

Coraline é um livro super curto, mas que pode nos conquistar. Com uma pitada de suspense e mais outra de terror, Coraline tem uma história contagiante.

Esse foi o segundo livro de Neil Gaiman que li (depois de O Oceano no Fim do Caminho - resenha aqui) e a experiência também foi muito boa.

Coraline Jones é uma menina muito curiosa e que gosta de explorar. Ela acabou de se mudar com seus pais para um apartamento "novo" (porque de novo aquele apartamento não tem nada).

Como os pais não a dão atenção, ela se vê entediada e decide explorar sua nova casa. É então que ela encontra um portinha numa sala mais "excluída" da casa.
A pequena porta a leva para um apartamento igual ao seu, mas onde tudo parece ser melhor: seus pais (que neste mundo possuem botões no lugar dos olhos) parecem mais legais, os vizinhos não erram seu nome...

Mas a menina começa a suspeitar desse lugar e insiste em ir embora. Mas sua outra mãe quer que ela fique lá para sempre. Então, a menina descobre o que a mãe de olhos de botões realmente faz: ela persuade as crianças a ficar e então come suas vidas.

Assustada, a menina volta para sua verdadeira casa, mas ao chegar lá vê que a outra mãe aprisionou seus verdadeiros pais e somente ela é capaz de trazê-los de volta para casa.

Coraline se encontra sozinha em uma situação assustadora e as únicas coisas que podem ajudá-la são sua coragem e inteligência.

Confesso que acabei lendo o livro por influência do filme e, na minha opinião, comparando as duas obras, a animação é mais legal (lembrando que isso é gosto, cada um tem o seu).

O filme é beem diferente do livro. E essa diferença acabou me puxando mais para um lado do que para outro, entendem?

Achei que a obra escrita seria muito mais rica em detalhes, mais assustadora. As coisas se desenrolam muito rápido e alguns detalhes do filme - para mim que o assisti antes - fizeram falta e acabei me decepcionando um pouco com isso.

Mas o livro continua sendo bom. Neil com certeza fez um bom trabalho.









3 comentários:

  1. Você leu Coraline! Eu também! E posso te dizer que tive uma experiência especialmente prazerosa, tanto que avaliei em cinco estrelas. <3 Eu li num fôlego só e o livrinho me conquistou, só tenho a dar elogios. *-* Senti-me tão bem com ele que tentei buscar outros no mesmo ritmo, pequenininhos e cativantes - se tiver algum pra me recomendar, estou aceitando sugestões -.
    Eu gostei muito da sua opinião, sobretudo a parte da animação. Veja bem, eu li o livro sem saber que havia uma animação, mas depois que terminei, logo descobri que sim, tinha uma, e que ela era muito boa. Eu acho que o filme completou o livro, acrescentou detalhes que foram precisos para torná-lo mais interessante. Eu não consigo vislumbrar Coraline adaptado sem ser daquela forma.
    Ah, também escrevi uma opinião sobre ele. :D :D
    Beijos. *-*
    Até mais! <3

    http://livroseacucar.blogspot.com.br/2016/07/coraline-neil-gaiman.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente adoro o filme e como você disse as duas obras se completam.
      Também adorei sua resenha!!
      beijos :3

      Excluir
    2. Aaaah... e um livro que recomendo pra você é O Oceano no Fim do Caminho (também do Neil Gaiman). Simplesmente adorei esse livro e acho que você também vai gostar.

      Excluir

Comente com sabedoria. Sem xingamentos, respeitando a opinião do outro, caso ache no texto um erro de gramática é só avisar.
"A bondade é o princípio do tato, e o respeito pelos outros é a primeira condição para saber viver."- Henri Frédéric Amiel
Beijos

© RM Desing - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Renata Massa | Tema Base: Butlariz.
imagem-logo